5. CAP. “ Conhecer”

O seu toque me fez ter uma sensação arrepiante. Nunca alguém desconhecido havia chegado tão perto de mim sem estar diante da lâmina afiada da minha espada, e me tocar sem minha permissão, já era um insulto.

Ele não tinha noção dos riscos que corria.

Me virei de volta para onde os seres estavam e não mais os vi, mas tinha certeza que os veria em breve. E notei que a disputa apenas havia começado.

— Que mundinho pequeno. Não sabia que viriam para cá. Se fosse assim tinha lhes acompanhado. O homem em minha frente falou todo sorridente me fazendo voltar a minha atenção para ele.

Eu mal conseguia entender de onde ele surgiu. Só podia ser pesadelo. E olhei para Angeline que esboçava um leve sorriso ainda.

— Olá eu sou Angeline.  E tem razão em dizer que o mundo é pequeno. Nem faz idéia disso. Angelile falou diante o meu silêncio e esticou a mão para cumprimentá-lo.

Ela já imaginava o que eu pensava e sentia. Eu estava preocupada com os seres e iria querer a cabeça daquele homem se me tocasse de volta.

— É um prazer. O meu nome é Chris Tucker. E o seu pelo que percebei se chama Aurora. Estou certo? Ele falou cumprimentando Angeline e me olhou ainda mantendo o sorriso para mim.

— Sim. Sou Aurora. Eu disse fazendo os mesmo gestos de Angeline.

Mas ao contrário dela, ele levou a minha mão aos lábios e deu um suave beijo sem tirar os olhos dos meus.

— Aurora. Tem um belo nome. É como o romper da Aurora. Ou como Aurora boreal. É fascinante a sua beleza quando vista. Ele disse soltando a minha mão com delicadeza.

Eu pude ver os olhos de Anegeline estalarem com os galanteios e ousadia do humano, e me peguei imaginado. O que ele queria com aquilo?

— Mas ela também pode ser mortal se não soubermos a respeitar. Eu disse dando um paço para trás e ficando do lado de Angeline.

Ela percebeu a minha insatisfação e notou que começava a me irritar com aquilo, e achou interessantes os sentimentos novos que surgiam em mim.

— Mas me diga senhor Tucker. Tem conhecidos aqui? Angeline falou pesquisando e tentando quebrar o meu olhar de raiva e o sorriso bobo do homem a nossa frente.

Ele pareceu desviar os olhos brilhosos dos meus e olhou para Angeline.

— Chris por favor. Tenho vários amigos aqui hoje. Inclusive Michael Jackson é um deles. Ele falou sorrindo e procurando algo por cima das nossas cabeças.

— A alma nobre? Quer dizer. O astro pop? Angeline falou rapidamente e já se corrigiu, tirando de mim um olhar repreensivo.

Devíamos tomar mais cuidado com o modo de falar.

— Sim. Ele tem uma alma nobre. Vim para ajudá-lo a procurar algo. E acho que já achei. A onde ele se enfiou. Ele estava logo ali! Ele disse esticando mais sua cabeça para procurar.

Eu olhei Angeline mais apreensiva. Enfim a alma. E ela entendeu o que aquilo significava. Era perigoso com os nossos inimigos tão perto dela também.

— Sabe sou fã dele. Poderia nos apresentar? Ela falou dando um sorriso mais que encantador e serei os olhos para ela.

Eu sabia que ela usava o que não devia ali. Seus dons angelicais.

— Mas é claro! Deixe-me ver a onde ele se enfiou. Não saíam daqui. Me esperem. Ele falou sem poder tirar os olhos dos olhos de Angeline.

— Claro! Vamos esperar aqui. Ela disse sorrindo ainda mais para ele e notei ele sair rapidinho dali.

Isso me fez levantar uma de minhas sobrancelhas em sua direção em sinal de reprovação.

— Não faça mais isso. Eu disse a repreendendo firmemente.

— O que fiz? Não fiz nada. Nós precisávamos conhecê-lo. Então só pedi gentilmente. Ela disse parecendo encabulada pela repreensão.

—-Não me tome por tola. Não falarei de volta. Não devemos manipulá-los. Eu disse vendo o homem voltar todo sorridente de volta.

— Desculpe. Fazia tempo que não fazia isso. Ela disse vendo a mesma coisa que eu via.

Eu a olhei intrigada. Ela era sábia e perfeita em seus dons. Mas ainda era uma criança em muitas coisas.

— Venham. Vou apresentar um amigo meu. Ele falou pegando na minha mão e me puxando com ele.

Eu fui praticamente sendo arrastada pelo salão e vi a cara de espanto de Angeline diante daquilo.  Ele deveria ser maluco para me tocar sem a minha permissão!

Mas se recompôs rápido do susto e nos seguiu do nosso lado.

Atravessamos o imenso salão e fomos em direção a uma mesa com algumas pessoas em sua volta.

Eu me sentia estranha, algumas sensações que jamais tive circulavam a minha volta e procurava os seres com uma certa reserva quando paramos.

— Cara. Quero que conheça alguém especial. Esta é Angeline. Menina este é Michael Jackson. Chris falou apresentando Angeline que estava em minha frente toda sorridente.

— Olá. É um prazer conhecer você. Ela disse o cumprimentando e vendo o cantor a abraçar e sorrir simpático.

Eu mal notei seus gestos. Estava mais era preocupada olhando para os lados com o que eu tinha visto antes. Não saber a onde estavam me deixava apreensiva ainda.

— E esta bela dama aqui comigo Michael é Aurora. Chris falou meu nome quando me virei e olhei o homem na minha frente.

— É um prazer conhecê-la. Ele falou olhando diretamente em meus olhos e aquilo fez pular algo em meu peito como se uma espada em brasa o tive o atingido em cheio.

Eu o observei por um momento. Seus traços eram perfeitos seus olhos negros tinham mistérios e segredos de um passado guardado a sete chaves.

Sua alma era digna do que diziam, mas havia uma sombra atrás de seus olhos também. Sua tez era forte e decidida, mas seus preceitos alguns eram discutíveis, mas sua fé era sincera e verdadeira.

Mas a busca por paz o havia levado por caminhos não muito dignos. Mas aquela alma continha algo mais que eu não conseguia decifrar.

E entendia agora mais ainda o por que, ele era precioso para todos.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

 

“ Longe dos olhos mais curiosos e das pessoas em sua volta, um casal observa do andar superior do salão perto do parapeito a cena lá embaixo.”

 

Eu podia ver agora com clareza a grandeza do que nos tinha trazido até ali. Para Aurora mesmo em pessoas estar aqui atrás dele! Ela deveria ser mesmo magnífica e poderosa. E aquilo me dava mais prazer pela caça. Nos enfrentar assim aqui. Era digno de poucos de nós.

— O que pensa minha senhora? Ela estando aqui pode ser perigoso para nós. Senis falou do meu lado observando a cena lá em baixo.

— Sim, eu sei. Suas anciãs por nos destruir é a mesma que temos deles. Mas não estamos mais em campos de batalhas nos degládiando até a morte. Pelo que vejo, os tempos mudaram. E as táticas também. Vamos dançar conforme a musica meu caro. Eu disse tomando um gole da minha bebida e vendo que ela tinha conseguido um ponto de vantagem.

— Mas pelo que notei a senhora conseguiu atrair seus olhos de cobiça. Creio que não será assim tão difícil conquistá-lo e trazer ele logo para o nosso lado. Senis falou dando um gole na bebida e vendo o que acontecia.

— Não subestime a caça Senis. Se fosse assim tão fácil não teriam mandado justamente ela. E a manifestação de um dos dez mandamentos das leis não é nenhuma vantagem. Isso todos tem aqui pelo que vejo. Então vamos com cautela. Não sou muito compreensiva quando perco. E fora que nossos pescoços estão em risco se falharmos. Eu disse vendo que não seria fácil a disputa.

— Compreendo senhora. Senis falou me vendo observá-los atentamente.

Subestimar o inimigo era uma tremenda tolice. E com ela! Era a morte. De todos os anjos de Deus depois de Gabriel e Miguel ela era a que mais detinhas suas graças agora. E fazia jus a sua fama. Aurora não era complacente com a nossa raça.

Os observamos por alguns momentos e saímos em direção ao hotel. Tínhamos que bolar outros planos já que fomos descobertos tão cedo.

— Preciso que providencie estas coisas. Tenho que elaborar algo sutil, mas devastador para começarmos. Não vou dar chances a Aurora de me passar a frente. Eu disse saindo dos meus aposentos e lhe entregando uma pequena lista.

Senis a leu com cautela e me olhou atentamente.

— O que pedi é fácil de conseguir. Será feito senhora. Ele falou pegando seu celular da sua frente e providenciando o que eu desejava.

Me dirigi até a sacada da nossa linda suíte e observei o resto da noite encostada no parapeito, como não dormíamos pensar e manipular era a nossa distração.

Como não estávamos nos campos mais distantes da terra nos matando. Certos métodos de abordagens e estratégias tinham que mudar. Não podia simplesmente me armar de escudo e espada para lhe atrair até a mim.

Tinha que ser sexy e sutil pelo que tinha percebido. O desejo e o pecado da luxuria era grande neste século, e seduzir era o caminho mais fácil para se conseguir algo por ali.

Então eu seria mais que sexy. Eu seria mais que  desejável. E isso eu tinha certeza que seria.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

 

“ Parado perto da mesa no meios de muitos e quase estático um homem mal acreditava o que via.”

 

Não acredito! Será que é ela mesmo! E como realmente é linda assim tão de perto! Está mais deslumbrante do que pude perceber naquele sinaleiro com suas roupas de couro preto e cheio de fivelas.

Já no meio da pouca luz era de tirar um homem do sério. E vestida com este vestido era mais que sexy, era de me fazer perder a sanidade. E pude sentir meu corpo se manifesta rapidamente. E fiquei mais que envergonhado torcendo que ela não percebesse. Mas notei que John me olhou de lado.

— Olá senhorita. Já que Chris não nos apresentou sou John Branca. John falou diante a minha cara de total fascínio.

— Sou Aurora. A moça de olhos cor de esmeraldas falou diante de um sorriso sedutor quando o cumprimentou.

Eu mal conseguia desviar os meus olhos dos dela. E estar naquela situação deplorável me fazia ficar vermelho de vergonha. John percebeu com seu olhar de soslaio o meu estado e me deu um cutucão discretamente e pude ver Chris me estreitar os olhos.

Ele havia percebido também. Deus! Que constrangimento eu sentia de mim mesmo! Mas eu tinha que fazer algo. Ou mais alguém perceberia meu estado deplorável ali.

— Esta cheio isso aqui hoje, não! Creio que não tem uma mesa sobrando Chris. Fiquem conosco. Eu disse desviando os meus olhos dos dela e fitando Chris que me estreitos os olhos mais ainda.

Eu pude notar que ele notou algo em mim e ficou desconfiado. E tentei me ajeitar discretamente para ele não perceber que me entusiasmei com a beldade em minha frente.

— Creio que podemos achar algo mais para frente Michael. Não queremos atrapalhar. Chris falou me olhando desconfiado que me interessei pela mulher que ele escolheu para ele.

Cara esperto. Mas eu era mais. A tal de Angeline era deslumbrante. Mas a Aurora me transmitia força e mistério.

— Não será incomodo algum Chris. Não é John? Eu disse olhando para o Chris e depois para o John com um olhar que pedia ajuda em desespero.

— Claro que podem ficar! Eu acho que a presença das belas senhoritas farão de nossa mesa a mais bela. E sinceramente estar só com esses caras aqui me deixa com tédio. John falou já puxando a cadeira para a Angeline se sentar.

Eu voltei o meu olhar para a Aurora que me fitava discretamente enquanto se sentava na nossa mesa.

Eu tinha certeza que ela também havia me notado ali, mas escondia algo em seu olhar que sinceramente adoraria desvendar.

Mas notei também os olhos serrados de Chris para mim ainda e soube que ele não me deixaria a vontade ou facilitaria nada em referência a bela Aurora que nos acompanhava.

Uma bela disputa me veio aos olhos. Já fazia tempo que não tinha desafios e aquela bela morena me dava mais que vontade de ganhar.

A noite transcorreu como desejei, ficar perto dela me fazia bem e me excitava também. Confesso que não consegui olhar para mais nenhuma outra ali presente. Por mais que John e Chris insistissem em me apresentar quase todas que havia no evento.

Eu deixei bem claro a John que já tinha feito a minha escolha. Eu investiria na moça de olhos de esmeraldas a minha frente.

Mas o meu único empecilho ali me parecia ser justamente o meu amigo Chris que pareceu querer a mesma coisa que eu.

continue…. Kisses in your hearts….

Advertisements