55.CAP….

Quando acordei meio sonolenta pude ouvir alguns gritos um pouco distantes. E eu poderia jurar que não estivesse em um hospital eu teria certeza que finalmente estávamos em algum hotel com os fans de Michael a gritar por ele lá embaixo na rua.
Eu me virei ainda um pouco dolorida para o outro lado e dei de cara com John e Michael cochichando perto da janela. E pude notar que não era um sonho.

— Já nos descobriram não foi? Eu disse encarando dos dois que me olharam repentinamente.

— Lamento por isso Mira. Mas sim. Aquilo está uma loucura só. Michael falou vindo em minha direção.

— Então como faremos? Eu disse me sentando devagar na cama.

— Eu providenciei com a diretoria do hospital o reforço da segurança. Ficaram bem até amanhã. Mas depois precisam ir para casa. Acha que está em condições para isso Miranda? John falou observando ainda os fasn eufóricos lá fora.

Eu respirei fundo e olhei nos olhos de Michael que continha um certo constrangimento. Infelizmente sua vida era assim. Nem ter seus filhos em paz ele podia.

— Mas é claro! Detesto hospitais. Eu disse dando um sorriso para tirar o ar triste de seus olhos.

— Isso só se Alex liberar. Ele até parece seu marido. Michael falou enciumado.

Eu notei John revirar aos olhos com aquilo e voltar ver as pessoas lá em baixo.

— Não seja tolo. Eu amo é você. Seu astro metido. Eu disse o olhando o provocando e notei ele chegar mais perto e me envolver nos braços.

— Assim eu espero. Não quero que ter que enfim provar que eles podem estar certo. Vai ver um homem alem de enciumado e mandão. Ele disse me dando beijos nos lábios mais que saudosos.

— Se isso ele já não fosse. Eu vou ver como está a barricada na entrada do hospital. A mídia parece enlouquecida. Não sabe do que eles são capazes. John falou saindo porta fora e nos deixando sozinhos.

Nós olhamos aquele homem propenso a fazer qualquer coisa para que tivéssemos um pingo de privacidade. Coisa que sabia que era raro de se conseguir sendo quem éramos agora. Mas como sempre daríamos um jeito.
O mundo de Michael podia ser mágico quanto assustador. Mas ele tinha uma capacidade enorme de se manter de pé por mais que muitos tentassem o derrubar.

Mas eu e seus filhos agora parecia dar a ele mais forças aqueles olhos cansados de tanto lutar.
Os dois dias se passaram rápido ali com as crianças. E saímos do hospital quase em um esquema de guerra. Quando se tratava de Michael. O mundo enlouquecia.
As crianças e ninguém da casa sabia que eram gêmeos. Michael só disse a eles que tínhamos uma surpresa e um suspense no ar foi feito.
Quando finalmente entramos pelas imensas portas de casa. A euforia foi geral quando as crianças perceberam dois bebes em nossos braços.

— Nossa! São dois? Mira teve dois bebes! Que legal! O mais novo saltitava vindo em nossa direção.
Os dois mais velhos pareciam não acreditar no que viam.

— Como assim dois papai? Mira só não esperava um bebe? A menina falou vindo em minha direção já querendo ver a irmã.

— A principio seria um só. Mas aquele molenga do Alex não viu isso. Michael falou com o filho recém nascido nos braços.

— Meu Deus! Vamos ter várias mamadeiras por aqui senhor Jackson. Rita falou vindo em ajudar a seguir o caminho e me sentar.

— Sim! Eu ajudo a dar mamadeira não é Mira? O mais novo falou todo empolgado do meu lado.

— Sim meu amor. Vamos ter muito trabalho. Eu disse me sentando com a ajuda da Rita.

— Há! Só quero ver na hora de trocar as fraudas. Vão ser dois de uma só vez. O mais velho falou zombando da cara do irmão que fazia uma cara de nojo quando imaginou a cena das fraudas sujas.

— Ecaaaaaaaa…………. Mas isso a baba pode fazer não é? Ele falou com seus olhos negros preocupados.

— Sim. Meu pequeno. Ela pode fazer. Eu disse vendo a agonia das fraudas na sua mente.

Todos nos rimos das caretas que ele fazia em relação a isso e ficamos um tempo paparicando os bebe em nossos braços.
Michael era um alarde só com as crianças, um cuidado alem da medida era tomado e eu ria em ver aquele homem que era uma lenda no que fazia perdido nos risos de seus filhos.

Os dias se passaram e a mídia pareceu ceder um pouco. Michael enviou uma nota a imprensa agradecendo o carinho dedicado a ele e a nossa grande família agora.
John se desdobrava em manter Michael concentrado no novo álbum. Mas o que ele queria mesmo era curtir a mim e os seus filhos.

O tempo passou e me via envolvida em um mundo que eu parecia me dar bem. Por mais que tivesse ainda um ar rebelde em minha face e em meus olhos.

Um ar desafiador que impunha alguns limites, mas que ensandecia quando desejava. Deixava Michael sempre com um pé atrás de mim.
Ele sabia que eu o amava como nunca avia amado alguém. Mas que detonava o mundo se fosse preciso.
Um rei no mundo de pebleus. Foi isso que o destino me reservou. Eu amava um rei com um coração de menino. Mas que fazia dos meus dias a mais pura alegria.

Sentada agora em meu jardim via o meu grande amor correr feito um menino com seus filhos e orei a Deus que a paz que ele tanto buscou e desejou na vida tive enfim encontrado em um amor rebelde e nos seus filhos que arrancavam dele risos jamais vistos.

~Fim~