15.CAP… “ Problemas”

As crianças já estavam na cama algum tempo quando escuto o telefone de Michael tocar alto.

Ele mal havia adormecido vendo TV e não queria o acordar. Me levantei devagar retirando o seu braço da minha cintura e fui pegar o seu celular de cima da mesinha.

No identificador John parecia chamar com insistência.

— John! O que ele quer a estas horas? Eu disse baixinho pegando o celular e indo atender na sacada para não acordá-lo.

— Alô. O que quer a estas horas John? Michael acabou de adormecer. Eu disse vendo as estrelas no céu negro.

— Há olá Med. Eu lamento pelas horas. Mas acabei de falar com o juiz e ele me disse por alto que vai chamar a ex mulher de Michael e mãe dos das duas crianças mais velhas para falar sobre a custódia compartilhada. Se ela resolver dar uma de papel de mãe. Ela vai nos criar problemas. John falou aquilo e me sentei na cadeira que tinha ali.

Droga! Era só que me faltava agora. Esta mulher pensando que pode algo. Ela tinha deixado bem claro que não os queria. E o acerto tinha garantido isso. Só agora com Michael morto ela resolvia tirar suas garras de fora. Afinal, os seus filhos valiam muito mesmo.

— Você sabe o que ela quer? Eu disse sabendo muito bem o que ela queria.

— A mesma coisa que os outros Med. John falou sabendo muito bem que eu não era tola.

— Mas ela requer só os dela. Como ficará o meu filho? Eu disse escutando John suspirar do outro lado da linha e demorar um pouco para me responder.

E aquilo me irritou, pois eu tinha certeza qual seria a sua resposta.

— Eu lamento Med. Ela disse que ficaria com o pequeno também. Que teme pelas crianças e tudo que está acontecendo com os Jackson, e um monte de bla, bla, bla. Ele falou sabendo que eu explodiria agora.

Eu me levantei de um rompante e me segurei na sacada tremula, eu me virei para dentro e notei Michael ainda dormir calmamente e respirei profundamente para não gritar de fúria.

Eu me virei de volta para fora e mirei as estrelas sentindo o meu sangue ferver nas veias.

— Preste bem atenção John. Se esta mulher resolver fazer uma loucura desta diante daquele Juiz, eu mesma explodo aquele tribunal. Aquela mulher jamais terá posse do meu filho. Se aquela família infeliz não tomar jeito. Eu mostrarei ao mundo quem sou eu, e não me importo do que for tachada. Então fale com ela. Suborne, pague , oferte, ou ameace se for necessário. Eu tenho conhecimentos dos contratos que ela assinou naquele tempo. Se ela seguir em frente com esta maluquice. Eu mostrarei ao mundo como ela foi uma boa mãe. Eu disse mostrando a John que eu cumpriria mesmo o que dizia em relação a mostrar ao mundo o que ela ganhou em deixar as crianças com Michael já que ela não os queria.

— Med se acalme, eu falarei com ela. John falou vendo que eu me controlava para não gritar de raiva.

— Pois faça isso, ou eu mesma falarei com está mulher. E não me importo que ela saiba quem sou. Isso se já não sabe nestas alturas. Eu disse apertando a beirada da sacada em minha mão e sentindo uma leve dor nela.

John respirou profundamente e pareceu pensar e logo falou.

— Okay Med. Eu irei falar com ela. Mas tem algo mais. John falou parecendo aborrecido.

— O que foi agora? Mais problemas? Eu disse sentindo um leve mal estar agora.

— Os Jackson sabem que estão em Los Angeles. Eu tentei esconder de todos. Mas sabe como eles são. Neste ponto eles são como Michael. John falou me mostrando que teríamos mais problemas.

— Mas eles sabem onde moramos agora? Eu disse sentindo aquele mal estar aumentar.

Eu sabia que o nervoso me causaria isso. E também aqueles doces e guloseimas o dia todo não e fizeram bem.

— Ainda não. Mas isso é questão de tempo. Ele disse esperando as minhas reações.

— Okay. Eu irei avisar a Michael sobre estas belas notícias. Mas só quando o dia amanhecer. Ele tem tido noites agitadas e sem dormir de volta. E não quero tirar um sono tranquilo dele agora. Eu disse respirando com mais ênfase, pois sentia a náusea me atingir agora.

— Ele anda de volta com problemas de insônia Med? Se isso ocorre temos que ficar de olho. John falou com a voz preocupada.

— Sim. Mas já deixei Ramires de olho nele. Agora preciso ir John. Amanhã nos falamos. Boa noite. Eu disse desligando rápido o celular e indo as presas para o banheiro e jogando o pouco que havia comido no jantar.

Depois de alguns minutos em um estado constrangedor, me levantei com dificuldade, escovei os dentes e fui para a cama quase me arrastando.

Sorte a minha que Michael ainda dormia. Se não ele era capaz de me arrastar sem disfarce ao hospital mais próximo.

E isso eu não queria. Se ele fizesse isso, Michael saberia que eu andava abusando dos meus remédios para dormir e alguns calmantes. Daí quem morreria seria eu.

Com uma certa dificuldade o sono me invadiu e nos braços do homem que eu amava adormeci.

 Mas quando o dia mal havia amanhecido. Os problemas nos batia a porta.

continue…. Kisses in your hearts….

Advertisements