14.CAP.. “ Insanidades”

Quando chegamos em casa a movimentação foi rápida, as crianças forma levadas adormecidas ainda para o quarto para serem limpas e arrumadas para o jantar.

Michael e um dos seguranças com a baba se encarregaram de levá-los, e eu fui até o nosso quarto tomar um banho e descer para instruir a cozinheira para o jantar.

As crianças como Michael precisavam de algo leve por causa das porcarias que comeram o dia todo.

Nem sempre era assim. Mas quando aqueles três podiam, eles abusavam e depois eu aguêntaria a adrenalina dos três.

Enquanto eu esperava a minha turminha travessa descerem e a Sara servir o Jantar, eu tinha me enfurnado na biblioteca e lia com atenção algo complicado, mas naquilo escuto a porta se abrir e vejo Sara entrar me observando atenta.

— Senhora. O jantar ficará pronto em alguns minutos. Sara falou entrando na biblioteca e me vendo ler os termos que John havia me enviado sobre a petição.

— Okay. Eu vou chamar aqueles três. Eu tenho certeza que se eles ainda estão acordados, eles viram se arrastando. O dia foi excitante para eles hoje. Eu disse retirando os meus óculos de grau e colocando as folhas na mesa.

— Pelo que fiquei sabendo o dia foi cheio. Eu gosto quando as crianças se divertem como todas as crianças. Eles merecem senhora. Eles vivem tão trancados e neste mundo que são vigiados com intensidade. Isso não faz bem a eles. E o senhor então. Este nem se fala. Ela falou sabendo que eu entendia o que ela dizia.

Eu respirei fundo me levantei da poltrona que estava atrás da mesa e peguei o porta retratos com as fotos dos meus três filhos, meu amor e eu.

— Sabe Vera. Eu um dia queria tanto que pudéssemos ser vistos e viver como uma família comum e normal. Não reclamo com quem vivo e como vivo. Não me arrependo das minhas escolhas. Eu me sacrifiquei por meus filhos e pelo homem que amo. Mas eu queria um dia poder andar e ser reconhecida por quem sou. Viver nas sombras as vezes cansa, é triste. Eu disse escorregando os meus dedos pelo quadro me perdendo em lembranças e senti o meu peito apertar.

Eu sabia que nunca seria reconhecida como alguém importante na vida dele pelo mundo. As vezes me sentia triste em ver velhas e novas insinuações de pessoas que um dia fizeram parte de sua vida no passado ser tachada como, “a única em sua vida”.

Por algum motivo as pessoas alheias e alguns fãns não enxergavam a verdade através da mentira. Como era fácil manipular o que se quer que seja visto.

As vezes a verdade está bem debaixo dos seus olhos e as pessoas as ignoram por puro prazer de serem enganadas.

Michael sempre foi esperto. Não digo que suas tentativas tenham sido em vão. Os seus objetivos sempre foram alcançados. Mas é triste ver ainda que certas pessoas de seu passado, ainda insistiam em coisas que sabiam que nunca seriam verdades.

Mas fazer o que! Tem pessoas que preferem uma mentira romântica, do que uma verdade sombria.

— Eu entendo a sua angustia senhora. Mas infelizmente certas decisões são impossíveis de voltarem atrás. Se ele voltar. Ele não será compreendido. E temo pelo que as pessoas podem pensar da senhora por causa do menino. As crianças iriam sofrer mais. As vezes as sombras é a sua única luz. Ela falou me vendo perdida em pensamentos e sabendo como meu mundo era.

Eu a olhei com atenção e noite que o que ela dizia era verdade. Michael avia feio o seu extremo. O seu ultimo show avia fechado as suas cortinas com honras e glórias.

Ele deixou o palco como um grande artista e merecia as honras e o título de lenda. Mas a que custo isso seria cobrado? E temia que meus filhos, um dia pagassem este preço.

— Eu sei. E é por isso que luto para mantê-lo a onde ele deve ficar agora. Suas escolhas podem ter sido extremas. Mas agora devemos conviver com elas da melhor forma que podemos. Eu disse colocando o quadro de volta na mesa e dando um paço em sua direção para irmos, mas naquilo escuto a porta abrir atrás dela.

A nossa atenção foi voltada a pessoa que entrava a passos lentos e vinha em nossa direção e nos olhou intrigado.

— Hummm…. Uma reunião secreta aqui na biblioteca! O que minha cozinheira milagrosa e minha mulher planejam? Se fossem em outros tempos eu ficaria temeroso. Michael falou parando do nosso lado com suas mãos para trás e com seus olhos serrados para nós duas.

Eu notei Sara esboçar um sorriso feliz. Ela gostava dele e de suas brincadeiras. E resolvi entrar na sua brincadeira também.

— Como você é um estraga prazer. Eu e Sara estávamos aqui manipulando como lhe envenenar e ficar com sua herança toda e deixar seus irmãos mais loucos do que estão e você estraga o nosso plano! Pode ir Sara. E desista de colocar Verbena na comida. Ele vai ficar receoso agora. Vamos deixar o plano para outro dia. Eu disse revirando os olhos e cruzando os braços diante dos dois com uma expressão contrariada.

Mas escondia atrás de um singelo bico, uma vontade enorme de soltar uma gargalhada pelas minhas palavras loucas agora.

— Deus! Até você Med! Não basta a minha família maluca? Agora a minha mulher e minha cozinheira! Eu preciso de ajuda e reforçar a segurança. Eu definitivamente estou dormindo com o inimigo. Michael falou fingindo um espanto que Sara não aguentou e escondeu um riso por detrás das suas mãos quase rindo na face dele.

Eu olhei para Sara na minha frente e quase não escondo o riso que ela me mostrava agora.

— Não seja dramático Michael. Sua família vai fazer o serviço por mim. Agora em questão de dormir com o inimigo. Isso é por sua conta. Eu disse vendo que ele entendeu o que eu disse e notei Sara sair de fininho.

— Com licença senhores. Eu vou ver o jantar. Sara falou saindo e fechando a porta atrás dela, mas antes de sair deu um sorriso sabendo o que aconteceria ali.

Michael observou ela sair e chegou mais perto de mim e me tomou em seus braços.

— Sabe. Não reclamo em dormir com o inimigo. Isto se o inimigo for você. Apesar que muitas vezes você não me deixa dormir. Michael falou me levando a passos curtos para perto da mesa da biblioteca enquanto me acariciava as costas e sorria com um sorriso sínico nos lábios.

— Olha só que homem mentiroso. Quem não me deixa dormir é você com suas insanidades. Eu disse sentindo ele invadir o meu pescoço com seus lábios e seus beijos molhados agora.

O seu cheiro era inebriante, seus cabelos longos molhados roçavam a minha pele e suas mãos já procuravam adentrar por debaixo da minha camisa me causando arrepios.

— Em falar em sanidades meu amor. Você se lembra onde tivemos que parar hoje de manhã? Michael falou já desabotoando a minha camisa e descendo seus lábios e língua para o meu colo e meus seios que ele os levava aos seus lábios por cima da langerrie.

— Michael. O jantar já está quase sendo servido. Precisamos ir com as crianças. E aqui na biblioteca! Alguém pode entrar. Eu disse já ofegante e sentido uma de suas mãos deslizar para dentro da minha saia e ir direto para a minha langerrie que ele invadia sem exitar.

— Eu sei que ninguém entrará aqui. Eu tenho certeza que Sara impediria qualquer um de fazer isso. E quanto as crianças, elas tem uma baba para isso. E minha fome é de você agora. Michael sussurrou com seus lábios em minha pele afastando a parte de cima da minha langerrie e se deliciando em seus seios arrancando de mim gemidos de prazer.

Depois disso as roupas saíram com facilidade. Michael só estava com suas calças frouxas, uma camiseta e sem sua Box. Ele me colocou sentada em cima da mesa e se deliciava em meu corpo.

 Suas mãos percorriam o meu corpo sem deixar um só centímetro sem seus toques. E suas lambias quentes e seus beijos estalados e molhados me levavam a loucura.

Seus dedos adentravam e saiam de dentro de mim me fazendo gemer alto, e ter seus lábios felinos quando ele desceu o meu ventre me beijando era como se algo incendiasse dentro de mim.

 Ele me deitou em cima da mesa e me invadiu com sua língua a onde ele mais amava com luxuria, eu quase estremeci ali naquele momento.

Por mais que tivéssemos feitos tantas loucuras no passado, ele ainda conseguia inovar. Quando Michael me levou ao êxtase pela primeira vez ali, ele sorriu em vitória. Ele amava me levar as alturas. E sua adrenalina explodia em ver meus gemidos em seus braços.

Michael me trousse perto dele, abriu as minhas pernas ao seu redor, e me puxou para beijos insanos.

 Eu entrelacei as pernas em torno de seu corpo e ele me invadiu com seu membro soltando um gemido que era mais que alto fazendo um eco na biblioteca vazia.

Suas investidas no começo eram lentas, mas seus olhos quando me fitaram e viram que eu amava o que ele fazia se intensificaram arrancando dele manobras e investidas profundas e vigorosas.

Eu estava quase explodindo de volta quando Michael apertou a minha cintura em suas mãos para me prender a ele e ficar mais colada do que nunca e intensificou as investida.

Ele olhou em meus olhos com seus olhos brilhantes, mordeu os seus lábios, e sorriu por detrás de uma face que se contorcia com o êxtase que se aproximava, eu segurei em seus braços e sorri com um sorriso malicioso.

Michael gemeu alto investindo pesado dentro de mim e me fazendo explodir enquanto sentia ele explodir dentro de mim em um êxtase mais que alucinado.

Ele enterrou seu membro o mais fundo que podia dentro de mim, jogou a sua cabeça para trás e fechou os olhos enquanto sentia o seu corpo depositar dentro de mim algo que ele amava fazer comigo.

Seu corpo trêmulo e suado me puxou contra o seu peito e me abraçou com sua respiração mais que escassa.

— Eu a amo Med. Nunca me deixe. Não deixe a milha família a afastar de mim. Ele falou me beijando os lábios e a face várias vezes.

— Eu jamais o deixaria. Não se preocupe Michael. Eu sou como você. Inquebrável. Eu disse o abraçando e sentindo ele ainda pulsar dentro de mim.

— E não se esqueça. Invencível também. Ele falou recuperando o fôlego e sorrindo para mim.

— Wow……. Olhe o álbum Invencível ai. Eu disse ruindo do que nós dizíamos.

— Este álbum foi revelador. Fiz muitas musicas dedicado a alguém que abalou o meu mundo. Ele falou rindo de sua ousadia.

— Eu me lembro. Você foi ousado Michael. Eu não acreditei quando o vi cantar naquela noite no show. Eu quase tive um enfarte. Eu disse vendo ele sorrir animado e sentindo o seu membro começar a fica excitado de volta dentro de mim.

— Sim. E me lembro como você me deixou no camarim. E se não fosse aquele sujeito, eu a tinha amando ali mesmo. Michael falou movendo o seu membro dentro de mim mais uma vez.

— Oh meu Deus Michael. Eu disse já sentindo vontade de fazer amor com ele de volta.

Nos amamos mais uma vez ali na biblioteca e saímos mais que rindo das nossa traquinagens apesar de sermos mais que adultos.

Se suas fãs tivessem noção do homem ardente que ele era com aquela idade, eu tinha certeza que sua fama seria maior ainda.

Fizemos as nossas refeições com as crianças e mostramos a elas uma vida normal como uma família normal.

Mas não imaginava que antes de deitarmos, as noticias ruins ainda nos achariam.

continue…. Kisses in your hearts….

Advertisements