5. CAP…

Eu fiquei olhando os números do marcador de andar do elevador aumentarem gradualmente e me lembrei de minha mãe.

O que ela acharia disso? Eu tinha certeza que me repreenderia e falaria que o que eu fazia não era para mim.

Ela sempre almejou uma carreira de glória e estrelas, e sempre me disse que minha voz me levaria ao estrelato e que eu era suficiente mais esperta do que ela em não viver a sua vida.

Mas depois daquela noite em que a vi morrer doente e sem o homem que ela dedicou a sua carreira e amor, eu decidi que jamais faria o mesmo que ela.  Eu seria muito mais, eu seria perigosa.

Amar um homem verdadeiramente não valia a pena. Eles só se interessavam naquilo que nossos corpos poderiam proporcionar e sexo e insanidades ao extremo eram as únicas coisas que suas mentes eram movidas.

Então, eu tiraria deles o que poderia e me tornaria o seu desespero em algo que os alucinava. Eu enlouqueceria as suas mentes.

— Você está bem Ava? Ele lhe feriu? A voz de Pool me fez voltar dos meus pensamentos.

— Não Pool, ele não me feriu, eu estou bem. E me faça um favor, eu não quero nem saber do governador Hudson e de seu filho. Os mantenha afastados de mim. Me concentrarei no astro pop por três meses, eu não quero ter problemas com estes estúpidos. Eu disse vendo a porta do elevador se abrir.

— Pode deixar Ava. Se for necessário contratarei mais um segurança alem de Frank. Pool falou indo comigo em direção a minha suíte.

— Faça como quiser Pool. Eu creio que o governador ainda irá me aborrecer pelo que notei no estacionamento. Eu disse vendo Pool abrir a porta da minha suíte.

— Eu sempre a protegi Ava. E não seria um asqueroso feito o governador Hudson e seu filho que vai nos criar problemas. Pool falou me vendo entrar na suíte e Frank entrar logo em seguida de nós.

— Assim eu espero. Eu falei indo tirando as minhas luvas e meu lenço dos cabelos.

— A senhorita vai precisar de mim ainda senhorita Clark? Frank falou alto verificando a sacada e os aposentos da suíte.

Ele tinha esta estranha mania desde um dia que um paparazzi nos surpreendeu por detrás das cortinas de um hotel em Istambul. Eles surgiam dos locais mais inusitados para nos dar um flagrante, eu tinha certeza que eles surgiam até dos bueiros mais fedorentos para lhe infernizar.

— Não Frank, pode ir. Por esta noite teremos paz. Eu falei indo para o bar e pegando uma taça de champanhe.

— Okay. Estarei em meu quarto. Qualquer coisa me chamem. Boa a noite senhorita, senhor Adams. Ele falou já se indo em direção a porta e saindo.

— Boa noite. Pool falou se sentando no sofá parecendo cansado.

— Boa noite Frank. Eu falei indo em direção a janela e vendo a noite lá fora.

Um dia está mesma cidade me seduziu. As suas luzes brilhantes me faziam sonhar quando eu acompanhava a minha mãe em seus shows.

Ela era a dama que encantava multidões. Sua voz era doce e melodiosa e me fazia sonhar. O meu pai nunca o vi, ele nos deixando quando soube que mamãe me esperava.

Mas apesar de tudo de ruim que nos aconteceu, ela sempre nos mantinha feliz como podia. Sua voz e sua beleza ainda encantavam muitos, mas nem tudo é só alegria.

Sempre tinha que haver alguém que amava ferir e usar os outros, e infelizmente ela encontrou este alguém e se apaixonou.

A droga do amor. Ele sempre tinha que estragar tudo. Por isso me tornei o que era. Uma mulher fatal, não amava. Eu só os usava como me provinha e depois os deixava. Como fizeram com a minha mãe.

—Ava! Está me escutando? Eu estou a horas falando a toa aqui! Pool falou em um timbre mais alto e eu me virei para ele.

— Me desculpe Pool. Eu estava pensando. Eu falei indo em sua direção e me sentando no sofá com a taça na mão.

— Okay. Eu já imagino no que pensava Ava. E não era no seu novo trabalho. Pool falou me mirando nos olhos.

Ele já sabia em que mundo eu estava e me senti sozinha mais uma vez.

— Eu sinto a sua falta Pool. As vezes quando estou sozinha em meu quarto ainda posso escutar a sua voz. Por que ela teve que se ir? Se ela tivesse nos dito a tempo. Eu falei colocando a minha taça em cima da mesinha e contive a lágrima em meus olhos.

Pool se levantou do sofá a minha frente e se sentou do meu lado me abraçando.

— Margaret não queria que se preocupasse Ava. Ela sabia que estava a muito tempo doente. Ela precisava ensinar a você a sobreviver neste mundo doido de show businnes. Mas creio que ela não gostaria de lhe ver fazendo o que faz. E eu também não gosto disso. Você é uma excelente cantora e atriz Ava. Não precisa fazer isso. Pool falou olhando fixo em mim e de volta ele veio com aquele velho argumento.

Eu me levantei enxuguei as lágrimas que teimavam em cair com as velhas lembranças de minha mãe e franzi o cenho para ele.

— Eu sei disso. Ela não me disse que estava doente por que aquele infeliz a fez doente. Eu não sou tola Pool! Quando fui pedir ajuda para ele por que ela estava morrendo. O que foi que aquele canalha me disse? “Se você me satisfazer pequena Ava eu ajudo a sua mãe”. Aquilo foi mais que um soco em eu estomago! E ela morreu por eu não ceder a ele. Então, não me venha pedir para não arrancar deles o que eles mais amam! O seu estúpido dinheiro e sua sanidade! Eu falei pegando a taça de cima da mesinha e arremessando contra a parede fazendo ela estilhaçar toda no chão.

— Calma Ava. Eu sei o que passou. Mas eu já lhe disse um milhão de vezes que não precisa dormir com eles para se vingar. Pode fazer isso diferente. Pool falou se levantando e tentou me acalmar.

— Fazer diferente! Olhe ao nosso redor Pool. Eu tenho talento em cantar. Mas acha que conseguiríamos isso tudo só por conta de minha voz e um lindo par de olhos verdes? Não. Eu tenho mais dinheiro e bens do que muitas meninas que começaram junto comigo. Sabe por que? Por que não amo. Não me apego a ninguém. Eu só os quero por uma noite e tirar deles a sua sanidade e dinheiro. E não seja hipócrita Pool. Eu vi seus olhos brilharem quando o advogado do astro nos ofereceu 200 mil dólares. Eu falei indo em direção ao balcão e pegando mais uma taça e acendendo um cigarro.

Pool respirou fundo e mais uma vez o derrotei com meus argumentos. Ele sabia que eu tinha razão.

— Mas um dia você pode amar alguém Ava com tamanha intensidade que este alguém lhe faça esquecer de tudo isso. Pool falou me olhando triste.

— Este dia jamais acontecerá. Eu falei tragando o meu cigarro e vendo a fumaça subir ao ar.

Pool logo saiu e foi para o seu quarto, eu fiquei mais um pouco ali pensando no grande astro pop e fui me deitar.

Afinal eu tinha um belo teatro a representar por três meses e tinha certeza que o rei do pop não gostaria de uma amante cansada e com olheira, e confesso que sorri diante do que eu faria com ele.

O dia amanheceu logo e me levantei disposta, afinal eu teria visitas logo e não queria ver ninguém desengonçada.

— Olá Ava! Bom dia. Está com uma carinha feliz. Pool falou me vendo entrar na pequena sala na suíte.

— Bom dia Pool. Eu creio que teremos visitas logo pela manhã. E quero ver se agrado o nosso cliente já que vou ter que velo com mais frequência. Há que horas ele virá? Eu disse me sentando a mesa para tomar o meu café da manhã.

— Ele deve estar chegando. Então coma tudinho isso e vamos fechar este contrato. Tem certeza que quer isso Ava? Olhe com quem é! Apesar que a quantia é bem generosa. Pool falou olhando em seu relógio de pulso e me parecendo intrigado.

— Sim. De todos que já me pagaram para sair com eles este me parece diferente. Você escutou que eu não preciso dormir com ele. É só para ser vista como seu grande amor por um tempo. Apesar que ele me deixa curiosa. Eu falei tomando o meu suco.

— Vai ver que ele é mesmo gay como dizem. Veja como se veste e se comporta. Pool falou se sentando do meu lado.

Eu olhei para o nada e sorri diante de minhas lembranças como ele ficou quando eu cantei bem perto dele e pude sentir ainda seu perfume inebriante.

— Não acredite em tudo que lê Pool. Eu tenho certeza que o senhor Jackson ama as mulheres e é mais ardente do que muitos que já provei. Eu falei escutando leves batidas na porta.

— Será que ele esconde algo que talvez você procure escondida Ava? Pool falou se levantando para atender a porta e me deixou intrigada.

— O que seria? Eu falei dando mais um gole em meu suco.

— Amor e paixão. Pool falou abrindo a porta e me fez olhar para ele espantada.

Não! Eu nunca procurei isso desde que resolvi fazer o que fazia. O sentimento de amar e se apaixonar era para os tolos, e eu tinha aprendido da pior maneira que amor só era sexo e era comprável, e eu cobrava caro por isso.

O advogado do astro chegou sozinho e como sempre eu conseguia provocar nos homens algo que sempre amei. O seu fascínio.

Assinamos o contrato de privacidade e voltei com ele para Los Angeles depois de fecharmos a conta do hotel.

Pool foi em direção a minha casa com Frank e eu segui com John até a casa do astro para combinarmos os detalhes de nosso teatro.

Mas confesso que não estava preparada para ver seu mundo mágico de perto.

continue…. Kisses in your hearts….

Advertisements